Lazer

Pesca à bóia, 25 melhores dicas

25 DICAS PARA PESCA À BÓIA

Veja neste artigo algumas das melhores dicas para a pesca à bóia, para ajudar a obter melhores resultados nas suas jornadas. As 25 sugestões foram recolhidas após leituras e fundamentadas em consultas de especialistas na modalidade, abordando questões relacionadas com o material de pesca, iscos utilizados, técnicas e por fim um dos pontos mais importantes a segurança.

1. Escolha da cana de pesca

É dos matérias mais importantes, a cana deve ser robusta o quanto baste para o tipo de pesca e ao mesmo tempo leve, uma vez que passa muito tempo com ela nas mãos. O comprimento da cana tambem deve ser tido em conta, tudo depende do tipo de pesqueiro. Se o pesqueiro é junto à água basta por exemplo uma cana de 5 metros é fácil de manobrar e leve. Para o caso de pescar em altura, ou com obstáculos à frente já a vara aconselhada deve ter 6 ou 7 metros, uma vez que ajuda o pescador a controlar melhor a bóia na água e a içar o pescado mais facilmente.

2. Cana e carreto, conjunto equilibrado

Neste segundo ponto das dicas, ainda abordamos mais uma vez na importância de saber escolher a cana de pesca. As canas telescópicas são excelentes para transportar mas na loja, abra-a e verifique o seu equilíbrio na mão. Algumas canas depois de abertas fazem muito peso para a frente das mãos, outras pelo contrário fazem muito peso na zona do cabo. Assim o melhor é recolher opiniões de outros pescadores ou se possível, experimentar os modelos desejados antes da compra e preferencialmente com o carreto de bóia já colocado.

3. Variedade de escolha

Na caixa de pesca deve ter vários tipos de bóias, afim de utilizar a mais adequada face ás condições.

4. Os starlights

Se a pesca se realizar à noite, estes são fundamentais para poder ver a bóia dar sinal de peixe.

5. Equipamento auxiliar

Apesar das canas na pesca em altura ou mesmo junto à água, terem bastante capacidade de levantar peso o melhor mesmo é não arriscar. Por vezes aparecem aqueles exemplares tipo troféus, e o xalavar ou a rabeca vai fazer falta.

6. Os anzóis

A escolha do tamanho dos anzóis dependem do tamanho do isco que está a utilizar. Tambem se deve ter em conta a espécie que se quer pescar, já diz o velho ditado “peixe grande anzóis grandes…”

7. Iscos vivos

Nesta pesca este tipo de isco é fundamental. Por exemplo entre muitos iscos, o caranguejo, camarão e o ralo, fazem milagres.

8. Como colocar isca viva

O isco vivo deve ser colocado no anzol, de forma a garantir que continue a mexer-se dentro de água. O caranguejo deve se iscados entre a 2ª e 3ª pata, quanto ao camarão pela cauda.

9. Caranguejo pilado vivo

Os pescadores que utilizam artes de redes são os que mais arranjam este tipo de isco, portanto nada melhor que ter uns amigos pescadores profissionais. Utilize só as fêmeas, mantenha-os vivos num balde com oxigenador.

10. Importância do tamanho do estralho

O tamanho dos estralhos devem variar conforme a isca usada. Se a isca for caranguejo pilado, o estralho deve ser maior do que se utilizarmos camarão.

11. Camarinha ou camarita

Esta isca é uma espécie de camarão pequeno, deve ser iscada viva e é fatal na pesca de bóia ao sargo. No entanto se a água do mar estiver muito turva, revela-se uma isca pouco eficaz.

12. Peixes mais difíceis

Quando o peixe é difícil de pescar, nada como utilizar lombinhos de sardinha (retirar espinhas e pele), e como alternativa pode tambem utilizar carapau iscando de forma idêntica.

13. Como ferrar as tainhas

Esta espécie come o alimento através da sucção, o que dificulta a ferragem. Desta forma tem que estar muito atento, assim que a bóia mexe tem que ser rápida na ferragem. Quanto não apurar a técnica do movimento sem folga no fio e rápido, o anzol fica sempre limpinho.

14. Engodar para pesca à tainha

Utilize como engodo sardinha moída e com consistência bastante aguado, lançando regularmente para o pesqueiro afim de manter o cardume concentrado.

15. Pesca do carapau

Esta é uma pesca muito ativa, aconselhamos a ler o artigo pesca de carapaus. Na pesca aos carapaus, devemos utilizar anzol fino e pequeno (nº 6 ou 8). As iscadas devem ser pequenas e beliscada em bocadinhos. A isca com camarão congelado daquele mais barato, à venda no supermercado é muito eficaz.

16. Ferragem de carapaus

Nesta pesca utilize bóias entre 10 e 15 gramas, compridas e finas bem calibradas (a bóias não pode ficar de lado ou deitada), assim que mexa ferre o peixe.

17. Pesca noturna ao carapaus

O starlight é colocado na ponta da bóia, pois num lançamento mais longo deve observar bem o movimento. Conte tambem com o ataque das cavalas, prepare-se para a luta.

18. Anzol à solta

A bóia deve poder correr no fio, isto para se poder sondar o fundo e para caso do anzol toque no fundo, diminuir-se a distância entre a bóia e anzol.

19. Sonde o peixe

Ao longo da jornada de pesca os cardumes podem andar a 2 metros e depois passarem para os 4 metros de profundidade. Pelo que é importante afinar a pesca trabalhando a profundidade, fazendo subir e descer a bóia na montagem.

20. Acompanhe o peixe

Nesta pesca tal como noutras modalidades, não fique estático, experimente e tente várias montagens.

21. Evite assustar o peixe

Evite fazer demasiado barulho e se estiver a pescar de dia, até a sombra pode ser um factor importante.

22. Segurança acima de tudo

Cuidado com as pedras escorregadias, pois para além da possível queda temos tambem que ter em conta a altura que estamos do pesqueiro, uma vez muitas vezes estamos em molhes ou falésias. Utilize um calçado com bastante aderência e evite pescar sozinho.

23. Manter a “pestana” aberta

Manter um olho na cana e outro sempre no mar, nunca lhe vire as costas. Muitas vezes o mar está parado, mas em qualquer momento pode vir uma onda maior e ser apanhado desprevenido.

24. SOS onda grande

Ao aperceber mesmo em cima do acontecimento de uma onda grande que o vai apanhar, não tente fugir. Preocupe-se em agachar e agarrar a algo fixe, esqueça o material pois a vida é única.

25. Equipamento

Já sabe o calçado aderente e confortável, um colete que lhe permita arrumar material e garanta flutuabilidade (prevenção para um possível arrastamento ou queda ao mar). Uma cana leve e equilibrada, um carrete pequeno e leve com recuperação e força, caixa de pesca ou mochila.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.